Buscar
  • filmescults

Jejum do Amor | Howard Hawks | EUA | 1940

Estrelada por Cary Grant e Rosalind Russell, "Jejum do Amor" (EUA, 1940) é uma incrível comédia do mestre Howard Hawks, o mesmo de "Os Homens Preferem as Louras" (1953), aquele clássico inesquecível estrelado por Marilyn Monroe e Jane Russell. "Jejum do Amor" é o que se pode chamar de uma autêntica screwball comedy, deliciosamente temperada com boas doses de intriga, humor e romance. Mas o que é exatamente uma screwball comedy? Em seu ótimo texto publicado no site Leitura Fílmica, Eduardo Kaneco explica perfeitamente bem o significado deste termo cinematográfico e ainda nos brinda com outras curiosidades do filme: "Os diálogos brilhantes, e extremamente engraçados, foram escritos por Morrie Ryskind, que está por trás de vários filmes dos Irmãos Marx. Por isso, em muitos momentos, o personagem de Cary Grant, Walter Burns, lembra muito a persona em tela de Grouxo Marx, com falas afinadas, sarcásticas e até ofensivas". Leia abaixo o texto completo e depois divirta-se com esta imperdível screwball comedy!



Jejum de Amor

· Título Original: His Girl Friday

· Ano de Lançamento: 1940

· Categoria: Comédia, Cult, Romance

Avaliação:

10/10

Crítica


Jejum de Amor se baseia na peça The Front Page, escrita por Ben Hecht e Charles MacArthur. A obra já havia sido adaptada para os cinemas em 1931 como A Primeira Página, com direção de Lewis Milestone.


Screwball comedy

Nessa versão de 1940, o diretor Howard Hawks resolve substituir um dos protagonistas masculinos por uma mulher. Com isso, apimenta a receita desta já bem temperada comédia com um pouco de romance. Essa mudança abre a oportunidade para uma das mais importantes características desse gênero de filme, a screwball comedy, que é a presença de uma forte personagem feminina. Em Jejum de Amor, esta figura é representada por Hildy Johnson. Rosalind Russell a encarna impondo sua natural presença física de destaque, aliando inteligência, beleza e confiança.

Outra característica típica da screwball comedy são os diálogos rápidos e eloquentes. O tiroteio verbal muitas vezes sobrepõe uma frase à outra, uma ousadia que desafia os cânones do filme tradicional. Os diálogos brilhantes, e extremamente engraçados, foram escritos por Morrie Ryskind, que está por trás de vários filmes dos Irmãos Marx. Por isso, em muitos momentos, o personagem de Cary Grant em Jejum de Amor, Walter Burns, lembra muito a persona em tela de Grouxo Marx, com falas afinadas, sarcásticas e até ofensivas.

Os diálogos, ainda, servem para contar rapidamente a situação atual de Walter e Hildy.


A estória

Na estória, Hildy retorna à redação do jornal para contar a Walter, seu ex-marido, que se casará novamente no dia seguinte. A respeito disso, Walter parece não se importar. Mas quer que ela escreva uma última notícia para o jornal, cobrindo a execução de um condenado ao enforcamento sob o ponto de vista humanitário. Porém o prisioneiro escapa e encontra Hildy quando ela está sozinha na sala de imprensa da penitenciária. Espertamente, Hildy vê a oportunidade de conseguir um furo extraordinário para o jornal de Walter. Contudo, sem perceber, está colocando em risco sua nova vida de casada.


Análise

Antes de tudo, o soft focus, comum nos filmes dessa época, contribui para tornar os dois protagonistas figuras especiais, maiores que a vida. Afinal, ambos são manipuladores, e conseguem o que querem através de astúcia e charme, ou pelo poder da imprensa. Um exemplo do primeiro caso é Hildy convencendo o condenado a falar o que ela deseja saber. um exemplo do segundo fica evidente quando ela tira o noivo da cadeia ameaçando escrever sobre a prisão arbitrária.

Além disso, o grande diretor Howard Hawks consegue imprimir um ritmo ágil ao filme. E, não só pelos diálogos, mas também pela edição. Por exemplo, os cortes rápidos mostrando a agitação dos repórteres diante de uma nova notícia. Adicionalmente, pelos enquadramentos que capturam toda a fuzarca em cena, principalmente na parte final. Da mesma forma, Hawks também trabalha com talento a gramática audiovisual. Nesse aspecto, quando deixa claro a dúvida que surge em Hildy sobre que rumo dar a sua vida, na sequência em que ela atende dois telefonemas simultaneamente, um de Walter e outro do seu noivo, e tenta conversar com os dois.

Sob outro aspecto, o título nacional aposta na divulgação do filme como uma comédia romântica. Já o original “His Girl Friday” vai mais além, refere-se a Sexta-Feira, o personagem de “Robinson Crusoe”. Contudo, no livro de 1719 de Daniel Defoe, ele é um homem e um servo, enquanto Hildy é uma mulher e poderosa, no mesmo patamar do seu par masculino.

Por fim, Jejum de Amor é um exemplo de screwball comedy bem sucedida. Além disso, representa uma homenagem ao jornalismo como uma profissão apaixonante.


Ficha técnica:

Jejum de Amor (His Girl Friday, 1940) EUA. 92 min. Dir: Howard Hawks. Rot: Charles Lederer. Elenco: Cary Grant, Rosalind Russell, Ralph Bellamy, Gene Lockhart, Porter Hall, Ernest Truex, Cliff Edwards, Clarance Kolb, Roscoe Karns, Frank Jenks, John Qualen, Helen Mack, Alma Kruger.

· Eduardo Kaneco


Para assistir clique no link abaixo: https://www.belasartesalacarte.com.br/videos/his-girl-friday


Para mais dicas maravilhosas, acesse nosso canal no youtube: https://www.youtube.com/c/MelhordoCinemaporBelasArtesaLACARTE


filmescults #filmesclassicos #hisgirlfriday #screwballcomedy #jornalismo #carygrant #howardhawks #rosalindrussel

464 visualizações

Posts recentes

Ver tudo