top of page
Buscar
  • Foto do escritorfilmescults

BESAME MUCHO | FRANCISCO RAMALHO JR. | 1987 | BRASIL


Cristiane Torloni no filme "Besame Mucho"

Christiane Torloni no filme "Besame Mucho"


"Besame Mucho" (Brasil, 1987) é a ótima adaptação cinematográfica da peça homônima escrita por Mário Prata, levada aos palcos de São Paulo pela primeira vez em 1982, um ano antes de chegar ao Rio de Janeiro. Com roteiro adaptado por Francisco Ramalho Jr, diretor do filme, e pelo próprio Mário Prata, a história vista na tela, assim como na peça, é contada de trás para frente: inicia nos anos 1980 e nos leva a 1964, quando teve início a ditadura militar brasileira. Mas não espere assistir a um "filme cabeça" ou dramático sobre esse período tão difícil da nossa História. Muito pelo contrário, "Besame Mucho" é uma delícia de comédia, sensual, cheia de charme e malemolência, com um elenco simplesmente sensacional: Antônio Fagundes, Christiane Torloni, José Wilker, Glória Pires, Paulo Betti e Giulia Gam, entre vários outros grandes nomes da nossa dramaturgia.

O cinéfilo Clenio, em um excelente texto publicado no blog Um Filme por Dia, fez a seguinte observação sobre “Besame Mucho”: “Com um texto nostálgico e uma produção caprichada, acabou por se tornar um dos filmes nacionais mais queridos de sua temporada - apesar de raramente ser lembrado pela crítica ou até mesmo pelo público em listas de principais produções do cinema brasileiro, deixa a sensação, após os créditos finais, de um passatempo inofensivo dos mais agradáveis”.

Para os interessados em (re)ver este tesouro pouco lembrado do cinema brasileiro, ele está lindamente disponível no streaming À La Carte. Antes de conferi-lo, recomendamos a leitura do texto de Clenio, replicado logo abaixo.


Besame Mucho

Por Clenio


Cena do filme "Besame Mucho"

Cena do filme "Besame Mucho"


Montada pela primeira vez em 1982 nos palcos de São Paulo - e no ano seguinte no Rio de Janeiro -, a peça teatral "Besame mucho", de Mário Prata, não demorou a chegar às telas de cinema. Adaptada pelo cineasta Francisco Ramalho Jr e pelo próprio Prata, a história com traços autobiográficos estreou em agosto de 1987, embalada pelos prêmios (roteiro e figurino) do Festival de Gramado e pela popularidade de seu elenco principal, formado por astros globais. Com um texto nostálgico e uma produção caprichada, acabou por se tornar um dos filmes nacionais mais queridos de sua temporada - apesar de raramente ser lembrado pela crítica ou até mesmo pelo público em listas de principais produções do cinema brasileiro, deixa a sensação, após os créditos finais, de um passatempo inofensivo dos mais agradáveis.

A trama criada por Prata não é das mais originais: ao acompanhar a trajetória de dois casais de amigos durante vinte anos, o dramaturgo não chega a aprofundar psicologicamente seus personagens nem tampouco apelar para reviravoltas dramáticas que possam provocar grandes catarses. Porém, é na sua estrutura que a peça (e o filme, acertadamente fiel) surpreende: ao começar a ação no final dos anos 1980 e regredindo até o fatídico 1964, o roteiro substitui a pergunta clássica "o que vai acontecer?" pela menos óbvia "como eles chegaram até esse ponto?". Dessa forma, Prata desnuda idiossincrasias, hipocrisias e inseguranças de seus protagonistas com um acento cômico que permite ao público envolver-se com o enredo sem questionar suas possíveis falhas. Além disso, aproveita para apontar, com inteligência, a mudança dos comportamentos sociais e políticos do país durante um de seus períodos mais críticos através de personagens que, de uma maneira ou outra, são afetados por tais transformações.


Glória Pires e José Wilker do filme "Besame Mucho"

Glória Pires e José Wilker do filme "Besame Mucho"


Quando o filme começa, Xico (José Wilker) e Olga (Glória Pires) estão se divorciando, depois de uma crise longa e desgastante. Ele é um premiado autor de teatro, mas sem que ninguém saiba, sua principal peça, "Besame mucho", foi escrita, na verdade, por sua mulher - que, na juventude, passou da alienação política a um auto-exílio durante a ditadura militar. Em sentido oposto, o quase idealista Tuca (Antônio Fagundes) tornou-se um empresário de sucesso, crescendo financeiramente em sua cidadezinha natal ao lado da mulher, Dina (Christiane Torloni), que abandonou a rigidez moral da adolescência para embarcar em uma série de fantasias eróticas com o marido, como forma de enterrar um passado de frustrações sexuais. A partir desse primeiro momento, o filme começa a regredir cronologicamente e apresentar os dois casais na construção de seus relacionamentos, suas carreiras e vidas sentimentais - até chegar ao tenebroso 31 de março de 1964, data em que suas próprias relações interpessoais também chegam a um impasse - o primeiro de muitos que ainda lhes atormentariam a existência.


Christiane Torloni e Antônio Fagundes do filme "Besame Mucho"

Christiane Torloni e Antônio Fagundes do filme "Besame Mucho"


Se o texto de Mário Prata parece mais apropriado ao palco do que às telas de cinema - uma linguagem mais direta e simples que nem sempre se conecta perfeitamente à sua adaptação -, a direção de Francisco Ramalho Jr. explora com precisão seu maior trunfo: o elenco. Aproveitando-se do tom mais leve de seus personagens, Antônio Fagundes e Christiane Torloni brilham com uma química previamente testada na televisão (e que voltariam a repetir em trabalhos futuros). José Wilker e Glória Pires, vivendo um casal com mais nuances dramáticas, brincam sem medo com todas as incoerências de Xico e Olga, provavelmente os mais alterados pela dinâmica da sociedade e da vida de uma cidade grande. Entre os coadjuvantes, Paulo Betti e Giulia Gam quase roubam a cena com momentos de humor equilibrado entre o ingênuo e o picante. Soma-se a isso a percepção triste de que o Brasil de 1964 não está tão distante assim do Brasil de 2022 - com a sombra folclórica de uma ameaça comunista que só existia (e existe) na paranoia da direita. É essa pitada de ironia (involuntária, uma vez que a peça estreou quando havia a ilusão de que o passado já estava enterrado de vez) que faz com que "Besame mucho" deixe de ser apenas uma comédia dramática sobre a imaturidade masculina e a evolução (ou não) da sociedade e se torne quase um lembrete de quão cíclicas são as mudanças no mundo.


BESAME MUCHO 1987 Direção: Francisco Ramalho Jr..

Elenco: Antônio Fagundes, José Wilker, Christiane Torloni, Glória Pires, Giulia Gam, Paulo Betti, Isabel Ribeiro



Texto completo no blog Um filme por dia



302 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page