Buscar
  • filmescults

Irina Palm | Sam Garbarski | Reino Unido/Bélgica/Alemanha/Luxemburgo/França | 2007

Atualizado: Abr 16

O ótimo filme "Irina Palm"(Reino Unido/Bélgica/Alemanha/Luxemburgo//França, 2007), com seu tema ousado, original e polêmico, traz uma história capaz de sensibilizar o espectador e fazê-lo torcer pela protagonista, interpretada pela maravilhosa Marianne Faithfull, atriz e cantora inglesa que, desde a década de 1960, se destaca em tudo o que faz com sua atitude transgressora e rock-n'-roll. Neste filme. a outrora musa dos Rolling Stones interpreta uma avó empenhada em conseguir dinheiro para salvar a vida de seu pequeno neto, que sofre de uma rara doença. Para isto, ela acaba encarando um trabalho bastante inusitado, principalmente para alguém da sua idade. Quer saber qual é o tal emprego da vovó Marianne? Podemos adiantar pra você neste breve trecho da crítica publicada no site Omelete: "Depois de ter seu último pedido de empréstimo negado, Maggie decide procurar um emprego. Mas o mercado de trabalho londrino fecha suas portas aos idosos... até que ela, inadvertidamente, entra numa boate de strip-tease e outros prazeres adultos no bairro do Soho. Seu trabalho? Masturbar homens através de um buraco na parede". Leia a seguir o texto completo.






Irina Palm

Marianne Faithfull vive uma profissional do sexo da terceira idade

ÉRICO BORGO

Pelo visto, Marianne Faithfull jamais cessará sua auto-reinvenção. Desde a década de 1960, a cantora e compositora choca, influencia e se faz notar, seja pela música, ou pelo cinema. Seu mais novo trabalho, o filme Irina Palm (2007), produção européia que ela protagoniza, a mostra por um ângulo inusitado, o de idosa. Sim, a porra-louca agora é uma vovó.

Faithfull, aos 60 anos, está perfeita no papel de Maggie, uma senhora desesperada para ajudar o filho único a cuidar do neto doente. O menino tem uma saúde que se deteriora dia a dia e sua lenta convalença arrasou as finanças da família. O início tem toda a pinta de melodrama choroso, mas como tudo que envolve a artista, logo revela suas verdadeiras cores. Idosa, sim, mas ainda muito viva.

Depois de ter seu último pedido de empréstimo negado, Maggie decide procurar um emprego. Mas o mercado de trabalho londrino fecha suas portas aos idosos... até que ela, inadvertidamente, entra numa boate de strip-tease e outros prazeres adultos no bairro do Soho. Seu trabalho? Masturbar homens através de um buraco na parede.

A partir daí o rumo do filme se transforma. Deixa de ser a história de um menino doente para tornar-se a história da própria Maggie, uma mulher que descobre depois dos 60 anos de idade sua vocação, sua própria força e vê todos os seus sentimentos rejuvenescidos. Extremamente feliz em suas escolhas, o diretor e co-roteirista Sam Garbarski não força em momento algum essa mudança. Não há cenas edificantes, música subindo, glamurização desnecessária ou metáforas de crescimento. Ele repousa a qualidade de seu filme no talento da atriz.

Bem menos interessante é a trilha sonora. Os monótonos arranjos de guitarra de Ghinzu cansam logo nos primeiros minutos - e a boate ter uma música só também não ajuda nem um pouco. Uma ou outra falha também surgem no roteiro, como o comportamento bizarro de Maggie ante suas amigas, mas são todas perdoáveis. O que interessa no equilibrado e comovente filme é o desenvolvimento da personagem e sua adaptação à nova realidade. O humor sutil e o romance que surgem disso também trazem um frescor interessante ao gênero "peixes fora d´agua na indústria do sexo" de outros filmes britânicos como Garotas do Calendário e Ou Tudo ou Nada.

https://www.omelete.com.br/filmes/irina-palm

Para assistir ao filme, clique no link abaixo: https://www.belasartesalacarte.com.br/irina-palm


#filmescults #filmesclássicos #irinapalm

1,634 visualizações