top of page
Buscar
  • Foto do escritorfilmescults

A Felicidade Não se Compra | EUA | 1946 | Frank Capra

Realizado há mais de 70 anos, “A Felicidade Não se Compra” (EUA, 1946), obra-prima de Frank Capra é um elixir para momentos difíceis da vida. Na história, George, interpretado por James Stewart, é um homem que sempre ajudou aos outros, mas uma situação de desespero o faz querer desistir da vida. Enquanto todos oram por ele, um anjo é enviado à Terra para salvá-lo. Preparem seus lenços para este clássico, atemporal e necessário. Um dos melhores filmes de todos os tempos? Para muitos, ele realmente é. Segundo Renato Furtado, em sua análise publicada na coluna Tirando o Mofo, "A Felicidade não se Compra" é "o melhor filme natalino de todos os tempos, o clássico dos clássicos deste feriado, porque traduz a movimentação convergente que é tão própria do dia 25 de dezembro e de sua véspera, marcada pela harmonia entre famílias, amigos e entes queridos". Leia abaixo o excelente texto de Renato, com informações preciosas sobre este incrível filmaço.

Tirando o Mofo: Por que A Felicidade Não Se Compra é o filme de Natal perfeito

O clássico dos clássicos natalinos.


Após ter pulado mais do que uma quinzena, a coluna Tirando o Mofo está de volta e com uma boa razão para o mini-hiato entre a edição de hoje e a última, "protagonizada" pelo Príncipe dos Ladrões em pessoa em As Aventuras de Robin Hood: o dia de Natal. E para marcar uma das datas mais importantes do calendário ocidental, não poderíamos escolher outro longa senão aquele que é reconhecidamente o filme natalino fundamental: A Felicidade Não Se Compra. Mas por que um título de mais de 70 anos de idade segue na ponta da tabela quando pensamos em cinema e no dia 25 de dezembro ao mesmo tempo?

It's a Wonderful Life (título original) incorpora à perfeição em suas imagens e em sua narrativa a ideia do espírito do feriado, um conceito que vai muito além das origens religiosas do Natal. Como nota a antropóloga Krystal D'Costa em seu ensaio sobre a alma do feriado, o vigésimo quinto dia do último mês do ano é centrado ao redor de alguns comportamentos básicos que promovem a união e a fraternidade, tais como a generosidade, a bondade, a caridade e a capacidade de perdoar — elementos cada vez mais distantes da contemporânea vida urbana e que estão todos presentes nas bases de George Bailey.


Vivido pelo icônico James Stewart, um dos maiores atores hollywoodianos de todos os tempos, o protagonista de A Felicidade Não Se Compra é um homem carismático, cordial e de feitos incríveis, amado por praticamente toda a cidade de Bedford Falls — a não ser pelo ganancioso banqueiro e magnata Henry Potter (Lionel Barrymore), é claro. Entretanto, por uma série de infortúnios, desventuras e uma dose do pior tipo de acaso, Bailey começa a contemplar a possibilidade de acabar com sua vida... algo que o desajeitado anjo sem asas Clarence (Henry Travers) deve impedir a qualquer custo.e02:53/08:22O CÉU DA MEIA-NOITE: GEORGE CLOONEY FALA SOBRE ELHANÇAS

No estilo do magnífico "Um Conto de Natal" (ed. L&PM Pocket), de Charles Dickens, os roteiristas Frances Goodrich e Albert Hackett e o diretor Frank Capra decidem retirar Bailey do fluxo cotidiano e de sua realidade para construir o emocionante emocionante, devastador e pungente terceiro ato do longa, em que Clarence demonstra como a vida seria se George jamais tivesse nascido. Genial e icônica, a sequência encapsula algumas das mensagens mais importantes do coração da trama de A Felicidade Não Se Compra: o que você deseja pode te destruir, mas o que você necessita pode te salvar.


Desde jovem, George queria ser um aventureiro, um explorador, deixar a cidade de Bedford Falls para trás e conhecer o mundo. Contudo, ele perde sua audição quando criança; depois precisa cuidar dos negócios do pai; e acaba fincando ainda mais raízes ao se casar com Mary (Donna Reed). A série de acontecimentos e fatos, que só afasta o personagem de seus objetivos e sonhos infantis, gera um descontentamento, que paira como uma sombra sobre o protagonista, e daí decorre sua depressão: a obsessão por deixar uma marca no mundo, fazer algo relevante, destrói o espírito de George.


Não é à toa, aliás, que A Felicidade Não Se Compra seja o primeiro longa-metragem realizado por Capra após seu retorno da Segunda Guerra Mundial, conflito bélico brevemente introduzido no filme. Enviado pelo governo dos Estados Unidos à Europa para filmar documentários de propaganda destinados a elevar a moral das tropas e a influenciar a opinião pública contra os nazistas, o lendário cineasta voltou para casa — ver a série documental Five Came Back, da Netflix, para maiores informações sobre esta história — atormentado pelos horrores da guerra.


Assim, para um longa associado ao feriado mais feliz do ano, este filme certamente é mais sombrio do que se pode esperar em relação às tramas natalinas justamente por também ser um estudo avant la lettre no cinema de massas sobre a depressão e as doenças psicológicas. A frustração por não ter seguido seus desejos, a quase inveja de ver seus amigos tendo sucesso, a culpa que decorre imediatamente deste último sentimento e o desespero de correr e correr em busca de fins e conquistas que não dizem respeito à trajetória de George: tudo isso o leva à queda, brilhantemente interpretada por Stewart.

Cena após cena do sofisticado roteiro, que apresenta a jornada do protagonista vista pelos olhos dos anjos e encadeia acontecimentos como na vida em si, George não consegue perceber que já havia alcançado tudo o que queria. Ir à Venezuela ou conhecer à Itália seriam conquistas interessantes, mas nenhuma delas poderia se comparar ao fato de que o personagem de Stewart não só enfrenta Potter, no clássico embate capitalista entre povo e poderosos, como também cria moradias populares para os menos abastados: ele modifica a vida de todos que cruzam o seu caminho — ele deixa, portanto, a sua marca em seu mundo.


Em outras palavras, é como se o Fantasma do Natal Presente, um dos três espectros que visitam o avarento Ebenezer Scrooge na clássica narrativa curta de Dickens, também estivesse, de certo modo, em A Felicidade Não Se Compra. Como escreve D'Costa em seu supracitado artigo, "O propósito do Fantasma do Natal Presente é levar Scrooge para um passeio ao redor da cidade e mostrar que tanto os ricos quanto os pobres buscam conforto na companhia encontrada no Natal. Isto é, as pessoas estão investidas em compartilhar e na gratidão pelo que elas têm".


A Felicidade Não Se Compra é, portanto, o melhor filme natalino de todos os tempos, o clássico dos clássicos deste feriado, porque traduz a movimentação convergente que é tão própria do dia 25 de dezembro e de sua véspera, marcada pela harmonia entre famílias, amigos e entes queridos. A resposta, no fim das contas, está naquela luz acesa nas casas como um farol no meio da escuridão, nos pisca-piscas nas janelas, no calor noturno, nos pratos e nos doces e até mesmo nas piadas sem graça daquele seu tio e nas perguntas inconvenientes da sua tia.


A chave — como demonstra a potente cena final de A Felicidade Não Se Compra, uma das mais comoventes sequências de encerramento da história da sétima arte — talvez seja replicar e estender estes comportamentos incentivados pelo espírito natalino para o restante dos outros 11 meses do ano. E, para finalizar, como diz D'Costa: "O código de generosidade, bondade e caridade em relação aos outros é reforçado por ninguém mais, ninguém menos que nós mesmos". E se não foi assim em 2018, que seja assim, do jeito que for possível, no ano que vem. Nos vemos em 2019.







2.407 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page